amamentacao na 1 hora de vida
Três em cada cinco bebês não são amamentados ao nascer
1 de agosto de 2018
Excesso de bagagem
23 de dezembro de 2018

A força do pai

A força do pai
Por Leo Costa
A ação através da não-ação é a força do pai. O pai nos ensina a força de contenção. A força que dá um passo atrás e permite que algo aconteça para que o filho possa ir além dos seus limites em segurança e crescer. Ao não fazer algo pelo filho, o pai permite que haja espaço para o desenvolvimento. O pai permite a queda e o fracasso e, por isso, permite, também, a recuperação e o sucesso. Geralmente o impulso para o mundo vem com força dobrada, e nos empurra ao sucesso porque, como uma mola, nos impele para frente. A força de contenção do pai nos ensina a paciência e, por isso, nos põe em contato com a energia potencial, que se transforma em movimento fluido na hora certa. A força do pai permite, também, o passo falso e acompanha o seu desenrolar de longe, sem intervir, porém com um olhar atento, que acompanha amorosamente o ir e vir do movimento. É o pai que diz ao filho: “Pise no acelerador, porém observando seus limites. Estou aqui.”, e se retira amavelmente, abrindo espaço. Por isso, o pai é o mundo. Vai bem para o mundo quem está em conexão com o pai. Mesmo com a insegurança e a incerteza – que fazem e sempre farão parte da vida – , segue bem aquele que segue sob o olhar do pai.
Essa força de contenção, que aprendemos com o pai, é também a força que nos põe no mundo e nos ajuda a olhar o amor do outro, pois muitas vezes amar significa retirar-se e deixar que o outro cumpra seu papel, com tudo que isso inclui: culpa e consequências, alegria e sucesso. A conexão com o pai é, portanto, a conexão que permite que nós possamos ver não só o nosso próprio amor pelo outro, mas também o amor do outro por nós. Mesmo quando esse amor se disfarça em dor e desordem. Guiados pelo olhar do pai nos tornamos mais pacientes, amáveis e respeitosos com os nossos limites e os limites do outro.
Quem está em uma boa sintonia com o pai tem também a confiança das pessoas, mesmo na ausência, mesmo no desconforto. O pai nos dá a esperança e se retira, permitindo, assim, que nós mesmos possamos construir o nosso sucesso e abracá-lo em plenitude de força e alcance.
Leo Costa é educador e facilitador sistêmico com formação em Educação Sistêmica e Constelações Familiares pelo IDESV. Atua há 25 anos em sala de aula, orientação educacional e formação de professores. É diretor-fundador do Instituto Alegria, através do qual promove palestras, vivências e atendimentos individuais e em grupos, instituições educacionais e empresas, utilizando a abordagem sistêmica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *